Friday, July 15, 2005

Tecnologia e raca.

Ontem foi uma noite de gloria. Ontem, chorei de alegria e "assisti" o jogo com os amigos. Animal. Eu na Ucrania, eles no Brasil. Na foto eu sou o de branco, na mao do de preto. A tecnologia eh linda. Radio Jovempan ao vivo e Skype bombando com o pessoal. Parece que a gente esta na esquina e nao do outro lado do mundo. Local, alias, reservado para a proxima grande conquista Tricolor.
Como nao tenho palavras para descrever a vitoria e a sensacao de ser o unico tricampeao das americas, uso aqui o relato de um companheiro de estadio.

Antes de ler, contudo, clique aqui para entrar no clima. Boa leitura:

AMOR AO TRICOLOR

Marcelo C Martensen
Tricampeao da America


A espera foi longa e dolorosa. Ano apos ano suportando a pirraca alheia com estigma de frieza nos pes. Mais do que nos, torcedores, ele sofreu com o “fantasma” do tricampeonato e trabalhou arduamente por este objetivo. Ontem, enfim, levantou a taca de campeao sul-americano, com todos os meritos.

Porem, por uma ironia do destino, na grande decisao o sempre presente goleiro artilheiro Rogerio Ceni, capitao do tri, quase nao apareceu. Teve sua grande chance em uma penalidade, mas a bola, arredia, teimou em fugir de suas maos e preferiu o choque com a trave. A bola e Rogerio mal se encontraram no jogo final, mas o decorrer da competicao foi suficiente para que ambos nao se preocupassem com isso.

Um pouco a frente, tres mosqueteiros deram conta do recado, sobre o comando do pujante Lugano, um uruguaio de alma brasileira. Ao seu lado, Fabao e Alex: o primeiro, testador de oficio, fuzilou a meta alheia em seu gol; o segundo, entrelacou-se com um avante adversario e permitiu o unico erro da boa arbitragem platina.

Nas alas, dois gigantes do vaivem – embora pequenos: Junior, pentacampeao mundial, e Cicinho, futuro hexa do Brasil. Talvez a cena de maior destaque na partida nao tenha sido nenhum dos 4 gols, mas a vibracao a esmo do miudo Cicero ao rebater uma bola para a lateral, mostrando sua vitalidade e comprometimento com o titulo.

No meio, o mago Josue e a formiguinha mineira carregaram o piano po-de-arroz. Com forca, astucia e disposicao, dominaram as acoes da meia cancha e, em pouco mais de 6 meses de clube, conquistaram tudo o que disputaram.

Ha ainda o sonolento Danilo, que em seus lampejos de craque, ressurgiu ao leu em diversas partes do campo, como por tele transporte, criando jogadas de gols, como a do primeiro. Talvez entao, o sono que se atribui ao meia nao seja justo, e, quem sabe, trata-se de apenas uma artimanha do atleta para passar despercebido pelos rivais.

Do outro lado do campo, no ataque, uma dupla de velhos amigos trilhava por caminhos diferentes: um, recem-chegado, outro, recem-partido. Amoroso chegou nas semifinais da competicao e substituiu o idolo Grafite alem do esperado. Marcou o primeiro gol da decisao, renomeou o estadio e mostrou que o verdadeiro artilheiro do amor esta no “Morumtri”, e nao hipoteticamente as margens do Tiete.

Ja Luizao, que chegou desacreditado, deu a volta por cima e, com 28 gols – um deles em impedimento –, conquistou a torcida em pouco tempo, e as lagrimas em sua despedida deram o tom do envolvimento. No inicio da etapa complementar, o beijo na redonda e o abraco no companheiro de ataque mostraram que o amor ao Tricolor nao estava somente nas arquibancadas.

Arquibancadas estas que mais uma vez deram show, por meio de quase 72 mil fanaticos. Os sao-paulinos mostraram a sua importancia para a equipe, contrariando os menos entendedores do ludopedio, e provaram que, apesar de serem a 3a maior torcida do pais, ainda sao a 1a no coracao de muitos.

E nao podemos esquecer do chanceler tatico, Paulo Autuori, que com a sobriedade de sempre, comandou o triunfo com trabalho, empenho e sapiencia. Sem falar no dedo do tecnico, que ao colocar Souza e Tardelli, reservas de luxo, mostrou que a sorte, aliada a competência, tambem joga neste time.

Os 4 a 0 foram irretocaveis, e nao me coube aqui citar lances detalhados de uma vitoria incontestavel, diante da importancia maior que foram os herois desta conquista.

O tricampeonato sul-americano eh a nova realidade do maior clube do futebol brasileiro, e que o leva mais uma vez ao Oriente, lugar ao sol onde os verdadeiros campeoes do mundo desfilam seu futebol.

A nos, pobres mortais, cabe apenas felicitar os vencedores e continuar aderindo as tres cores, nas quais o amarelo nunca teve espaco.

Eu amo o TRIcolor, e sou plenamente correspondido.


Bjs.

5 comments:

Visitante said...

Fala Cabeça !!!

Esse seu timinho é largo hein, eu e o Vitão na maior torcida contra, de camiseta do Timão e do Atletico !!! hahahahahahahaha !!! Que droga !!!!

Esse fds na praia foi irado, depois te conto mais !!!

Um abraço,

Dudu

Frederico said...

Fala, Tricampeão!
Belezura?
Tempão que eu não passava por aqui!
Sexta eu vou cantar, participação especial num show abrindo pro Sideral, lá na Expominas onde teve a Festa da Fantasia.
Legal, né?
Camarote, com sushi á vontade, para Fredão e Linoca.
O Willyzinho vai, mas não entra no camarote, pq é bebida á vontade.
Ele vai ficar na vontade, hahahaha!

Abração,

Fredão

Visitante said...

A vitoria do sao Paulo foi incontestavel, os 4 a 0 não.
O gol do luizao foi irregular, tava impedido. Mas repito, so o gol, que aconteceu quando o jogo ja estava decidido no primeiro tempo. O resultado foi justo, merecido desde a vitoria do S Paulo em Buenos Aires contra o River.
O Atletico deu muita sorte pois, limitado, so venceu Santos pq estava sem leo e robinho e so bateu o tigres pq fez os 3 a 0 aqui contra um time que perdeu 6 jogadores para a selecao mexicana. Alias, foi uma pena o imbecil do regulamento permitir jogo com menos de 40 mil durante a libertadores, mas nao permitir a final pois o primeiro jogo do sao paulo e atletico na baixada ia deixar a final muito mais emocionante (muito provavelmente o sao paulo ia terminar campeao) do que acabou sendo para todo mundo, ate para mim, torcedor do palmeiras que gosta de bom futebol.
Parabens, pelo tri.!

Andreas Toscano said...

Ae, Fredao. Do cara**o. Parabens. Sera o nascimento definitivo de uma nova mega-banda? Tomara.
Ao ultimo comentario, por favor, se possivel, se identifique. Mas valeu.

Abrassssssssssssss

Frederico said...

Putz, é que eu num molhei o bico pra contar o resto, hahaha!
É participação especial numa banda de forró universitário, hahaha!
Vou cantar " Heavy Metal do Senhor", do Zeca Baleiro, com aquele vozeirão!
A Mandruvá continua ensaiando, devemos ter shows dias 13/8 e 18/9.

Abrass!